A novela: cap. III

Aí vai o cap. III da história.

Antes de entrar na outra fase da aventura, Juliano calculou que seria melhor perguntar pra alguém onde é que podia pegar o ônibus que o Cristiano tinha indicado, o tal do 494. De certo que o segurança tinha jeito de quem entendia das coisas e foi lá perguntar pro homem se ele sabia.

Disse um bom dia e soltou a pergunta no embalo.

– Como é que é? – o segurança falou com cara de quem tinha dito o que disse.

– O 494, onde que eu pego ele, tchê? – Juliano repetiu a pergunta devagar, articulando palavra por palavra pro homem entender melhor o que ele tinha dito. Vai ver era aquela barulheira toda que dificultava a audição do rapaz.

– Pra onde é que tu tá indo?

– Jardim… Jardim Leopoldina, um negócio assim.

Antes de dar a resposta pra ele, o segurança gritou pra outro que passava por ali naquela hora, se certificando de que daria a informação correta. Sim, era na Júlio de Castilhos. O homem explicou que ele tinha que sair, pegar uma passarela e ir pro primeiro ponto de ônibus que tinha do lado esquerdo da rua, no sentido de quem vai daqui pra lá, mas que o ônibus vinha era de lá pra cá. E o segurança mostrou pra ele pra que lado ficava o bairro, “é longe afu, guri”, disse, enquanto indicava o caminho, “tu não vai te perder por aí, sozinho?”.

– Não vou. Sei me virar – Juliano respondeu.

Agradeceu e virou as costas.

Foi só começar a subida da passarela que notou uma gente estranha transitando por ali. Aquele povo errava com sacos de lixo, de ráfia e sacolas de mercado pendendo das mãos. Arrastavam sua carcaça de pele e ossos e catinga pela calçada, atacando quem passasse. Uma hora era um, dali a pouco surgia outro, multiplicados. Nunca tinha visto gente daquele tipo. Uns dormiam debaixo daquele caminho, estirados na grama mesmo, debaixo daquele sol amarelo que estava em meia altura, já se aproximava do meio do dia.

Como é que os polícia não vinha dá um passa-fora naquele povo? Isso era um negócio que ele não entendia. Será que ninguém oferecia pra eles um prato de comida, que eles parecia precisado. Um copo d’água, um banho, um lugar pra dormir? Lá na cidade dele essa gente preguiçosa não se criava. Que gente que crescia assim, meio largada na grama, tipo inço, a prefeitura já dava um jeito, mandava pra família cuidar ou trancava o caboclo num lugar que tinha lá no interior da cidade, que diziam que era pra lá que levavam os loucos da cidade. Na rua diziam que Juliano ia pra lá um dia, e ele ria, dizendo que ele é que não ia. E queria ver aquele pessoal falando dele agora, ele ali, todo galo, louco de faceiro andando em Porto Alegre, sozinho, indo pegar um ônibus e tudo. Um vereador dizia que tinha que pegar esse povo todo, que dormia nas rua, colocar numa Kombi, levar até a praia e largar por lá. Mas isso o Juliano achava que era maldade. Não precisava judiar deles. Era um pessoal que tinha dado errado na vida, só isso.

Saindo da passarela, atravessou a avenida. Tinha mentalizado os números, letras e nomes, T-qualquer coisa, Protásio, trezentos e alguma coisa. Logo apontou um daqueles Ts. Mas ficou meio assim, se na verdade o T não era um D. Era mesmo T que o Cristiano tinha falado ou era D? E agora? Enquanto ficava repetindo em sussurros o nome do ônibus que tinha que pegar, as pessoas, apressadas, iam subindo e o latão que vinha seguia o caminho dele. Não demorou pra aparecer um 494, que assim que pintou lá adiante na esquina, ele levantou o braço que nem viu o pessoal fazendo pra atacar o ônibus pro motorista parar.

Na roleta pediu pro cobrador avisar quando chegasse no destino. O cobrador resmungou uma resposta. Acanhado e com vergonha de dizer que não tinha entendido o que o cara disse, sentou ali perto, esperando que o rapaz lembrasse dele ao chegarem. Vai ver não pudesse falar com os passageiros, atrapalhava o serviço. Juliano se ocupou vendo os prédios e outros ônibus e veículos que zuniam os parafusos pelas vias, enquanto as pessoas ali dentro, sentadas ou de pé, balançando agarradas aos canos. O ônibus percorria uma rua construída sobre pilastras, que em certa altura se tornava em um túnel. O que esses caras não inventavam?

Então o veículo parou. Todos os passageiros continuaram olhando pra frente, como se nada tivesse acontecido. Juliano sentiu vontade de levantar e ir perguntar pro motorista o que estava atrasando a viagem. Iniciou o gesto, tirando a bunda do lugar, mas se conteve. Vai que fosse um acidente ou obra na pista? Não tinha que ir cheirar lá. Permaneceu sentado com as costas bem ajustadas no encosto do assento, ereto, a mochila sobre o colo e as duas mãos sobre ela, cuidava não atrapalhar seu vizinho de banco, que sentado na janela, escutava música nos fones de ouvido do celular e olhava pra fora, desacorçoado. Estavam na boca do túnel, e de cada lado da estrada elevada, um muro de prédios impedia a visão do horizonte. Mas tinha sua beleza, aquele labirinto visto meio de cima, como se desse pra ter uma visão do todo, mesmo que parcial, já que a cidade era tanta que faltava olho pra filmar.

Ele olhou pro banco do outro lado, onde uma menina estava quase caindo dele, pois um cara de tronco largo e coxas grossas estava de pernas abertas ocupando quase tudo o banco só ele. Esse murrinha devia era pagar duas passagens, só pra se espertar. Imagina só, um homão daquele ali, querendo o banco todo só pra ele. Que desse espaço pra menina também, coitada. Cara de doente, de tão magrinha, devia de tá indo pro hospital se consultar. Ou que o camarada me sentasse no banco pros idoso. Tinha dois ali, mas estavam ocupados por dois gurizão que falavam alto e riam tipos uns abobados, como se tivessem bebido alguma coisa. Mas Juliano achou que não podia ser, já que era muito cedo ainda pra alguém beber e que não deviam vender cachaça pra gurizada ali na cidade.

Um outro homem estava de pé, com a mochila nas costas e isso, Juliano achava, ia dar problema se alguém quisesse passar depois. Vai que enche até chegar lá do outro lado da cidade, né? Podia ter umas regras pras pessoas se comportarem direito dentro do ônibus, pensava. Ainda bem que não dá mais pra fumar. Juliano tinha fumado um cigarro antes de entrar, porque ele gostava de cigarro e não era daqueles viciados que fumavam a cada pouco. Não. Ele fumava porque era bom mesmo e mais pra passar o tempo. Sentiu uma vontade de fumar, então, só de pensar. Mas como não podia, pensou que era isso uma boa coisa, senão ia ficar uma fumaceira ali dentro que ninguém ia de suportar. Fora a fedentina. E por falar nisso, tinha uma que não dava pra saber de onde vinha, mas que alguém tava precisando de um banho ali, isso tava. Juliano até fez menção de conferir embaixo do sovaco como estava a situação, mas preferiu deixar quieto. Ele cheirou o ar e teve certeza que o fedor não vinha dele. Talvez era de alguém ali da frente. Naquele calorão de fevereiro, como é que um vivente me saía de casa sem passar um desodorante? Vai que o cara saiu correndo, meio apressado, com medo de perder o ônibus pra ir pro serviço? Por que ali era assim. Todo mundo morava bem longe. Não era só pegar uma bicicleta e sair correndo que ainda dava tempo. Ele se lembrava que o Cristiano, o primo, contava essas coisas, porque ele era desses que falava a pampa e ele confiava que o primo não tinha porque mentir numa coisa dessas. Cristiano contava que tinha que pegar dois, às vezes três ônibus, dependendo de onde arrumava serviço. Logo o ônibus deu um tranco, e passou a se mover. Virou aqui e ali e quando Cristiano percebeu, estavam dentro de uma canaleta.

– Osvaldo Aranha – anunciou o cobrador.

Juliano olhou pro lado, se coçou. Que lugar bonito. Esperou. Será que ia? O ônibus andou mais um pouco e parou de novo. Se levantou. Ia fazer uma aventura. Podia deixar pra outro dia, mas já estava ali. Era só descer e passear no parque um pouquinho. Já tinha passado quase meio-dia na rodoviária esperando. Ligava pro primo, vou dar uma volta, já chego aí. Ou podia deixar ele esperando também, só pra ver se ele ia ficar preocupado.

Desceu, logo ouvindo o homem anunciando atrás dele: – Só um passinho, mais um passinho.

O sol lhe deu um tapa na testa quando ele ergueu os olhos para olhar ao redor e se acostumar com a paisagem. Tinha um predião de três andares que devia de ter sido construído antes da vó dele nascer. Na fachada colunas gregas, grades de ferro nas janelas, rabiscos pichados nas paredes, carentes de uma demão de tinta. Como deixavam um prédio bonito nesse estado? Ao lado uma pequena praça, no centro da qual uma pilastra. No lado, uma árvore pingada, avulsa no gramado. Sob a sombra dela alguém dormia, enrolado nuns baixeiros. Do lado, um cachorro deitado em posição esfíngica. Sorriu para Juliano como se o conhecesse. Do outro lado da rua o parque.

Caminhou até o semáforo. Esperou que fechasse para os carros e acendesse para os pedestres. Olhou de novo para o cachorro, que o seguia com os olhos, como se quisesse avisar alguma coisa. Ia só dar uma passeada no parque, ia saber voltar, era só ir reto sempre. Depois virar as costas, e fazer o mesmo caminho.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s