Uma novela

Esse texto nasceu como um conto. Era a história de um jovem que ia pra capital em busca de uma vida melhor, mas acabava se envolvendo com pessoas erradas e passava uma noite na rua. Aí resolvi fazer o texto crescer, fiz o personagem passar duas noites na rua, apanhar de valentão, apanhar de guardador de carro, passar fome, ser assaltado etc. Além disso, a linguagem é extremamente coloquial, tanto do narrador, quanto do personagem, e essas duas vozes se misturam em vários momentos.

O bafo do asfalto e do cimento o envolveram quando saltou do ônibus e pôs os pés na capital. Chegava naquele dia quente de fevereiro, trazendo, além dos seus dezenove anos, uma pequena bolsa preta de mão com poucas roupas. Juliano segurava o riso dentro da boca desde que tinha visto já longe a linha de prédios crescendo no horizonte e ficando cada vez mais maior, até que se viu no meio deles e dentro de uma estrada que não dava pra sair. Veio querendo ver de tudo, querendo gravar o nome das coisas, o que estava escrito nas placas, nos anúncios, a cabeça virando tipo cata-vento prum lado e pro outro no meio de um redemoinho de estimulação.

Quando é que ele tinha imaginado que ia sair daquele fim de mundo? A mãe que sempre brincava com ele dizendo que nunca é que ele ia de virar alguém na vida, que só dava desgosto, que ainda ia era achar ele caído numa valeta um dia com formiga na boca, feito cusco sem dono morto com balinha de naftalina. Não, ele é que não ia dar esse desgosto pra mãe. Ela que tinha falecido duma hora pra outra por conta de um troço que deu que não teve médico que soube explicar lá na cidade. Nem em …, pra onde um vereador arranjou de levar ela de ambulância pro Hospital das Clínicas, furando a fila de espera e tudo. Foi e voltou e não teve jeito. Ia ter que voltar pra fazer mais uns exames, mas acabou nem dando tempo do remédio fazer algum efeito, porque a mãe acabou falecendo dali dois dias depois que tinha voltado de viagem. O pai ficou o velório inteiro dizendo que tinha avisado que não era pra ela ter ido, que só cansou a coitada. Que se ia morrer mesmo que pelo menos morria descansada. A mana Eulália até quis dizer pro pai que a gente tinha que tentar alguma coisa, que não adiantava de deixar a mãe na cama daquele jeito, que os médicos lá da cidade não prestava, que nem olhavam pra cara da gente, e que era uma coisa boa que o Dr. Clóvis quis fazer, ele só queria ajudar, mas não sabia que tava atrapalhando. Ele ia sair pra prefeito logo, logo e que ajudar a mãe foi só uma ajuda que ele fez pra gente pra depois pedir voto, o pai emendava. Pois eu dava até dois votos pra ele se fosse o caso, porque ele ajudou a mãe naquela vez, deu um óculos novo pro pai numa outra e também me ajudou  a escapar do quartel. Imagina se ele fosse pro quartel em …? Não ia de dar certo, que a mãe já estava até com medo que os milico iam de judiar muito do filho dela. Que mesmo que fosse bom pra ele virar homem, virar gente, aprender alguma profissão, quem sabe virasse motorista ou mecânico, como o pai dela tinha virado quando foi pro quartel, era uma coisa, mas todo mundo dizia que o quartel era outro agora e que nem quarentena tinha mais, e que o soldado podia ir pra casa todo final de semana se quisesse. Era o que a mãe dizia. E ele ouvia e até se olhava no espelho pensando nele vestido de farda bem passada, aquele verde-oliva bonito, que a mãe não ia deixar o filho dela andando por aí de farda amassada. Mas imagina se ele é chamado? Mas deu que quando ele foi se apresentar no quartel, passou o dia respondendo umas perguntas, falando com cabo, com sargento, com tenente, até com major ele falou aquele dia. No final do dia o cabo chegou pra ele e disse que podia ir embora, que ele tava dispensado e deu os papéis na mão dele. Tava dispensado, Juliano perguntou, meio ressabiado, meio com medo de que fosse mentira, tava dispensado mesmo, perguntou de novo só pra ter certeza, e era verdade, podia ir embora, e ele foi, sabendo que a mãe ia ficar feliz com aquilo, e que, tá, talvez ele até queria ir pro quartel. Se imaginava chegando em casa na sexta de noite todo bonitão de farda lisinha, as botina brilhando, o boné cobrindo a testa e a mãe recebendo ele toda faceira e contando que tinha feito um cuque pra esperar ele e umas bolacha pra ele levar de lanche pra comer durante a semana.

Mas agora a mãe já tava morta. E ele ali na rodoviária. Com a bolsa na mão, procurando o primo que disse que ia ir pegar ele. Era uma gentarada indo pra lá e pra cá, carregando malas, caixas, embrulhos, se abraçando, se reconhecendo e os ônibus chegando, despejando aquele povo todo ali na boca da rodoviária e logo se indo embora de volta. Juliano olhou no entorno, sem ver cara conhecida: cadê o Cristiano?

Cristiano disse que a cidade era boa de morar, bastante serviço, que quem gostava de trabalhar não ficava sem nada pra fazer. Juliano que aparecesse, nem que fosse só pra conhecer a capital, fazer uma visita. Já com a dispensa do serviço militar, nem pro quartel ele serviu mesmo, pegou mala e cuia e embarcou num ônibus da Unesul que catingava uma mistura de produto químico com mijo velho de gente. Cadê o parente que tinha ficado de buscar ele, se perguntou já ficando meio zonzo com aquele fuzuê de buzina soando, pneu cantando, carro acelerando, gente falando, ônibus roncando, taxista gritando, gentarada falando, alto-falante avisando, e tudo o mais que acontecia em volta dele e ele não conseguia dar conta porque era muita coisa pra ouvir ao mesmo tempo.

Cadê o Cristiano?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s