As línguas e os costumes

Estou estudando a Gramática Pedagógica do Português Brasileiro (Marcos Bagno, Parábola, 2011) e encontrei esse trecho na página 116, que pode facilmente ser aplicado aos costumes. Sempre haverá aqueles que acreditam em uma época mítica e idílica em todos os políticos eram honestos, não havia violências nas ruas, as mulheres se davam ao respeito, não havia homossexualidade, etc. Lamento dizer, essa época jamais existiu (a história humana é uma sucessão de eventos de genocídio, corrupção, estupros, incestos, etc.). A mesmas pessoas que usam a Bíblia para condenar alguns comportamentos, se esquecem de que a Bíblia contém uma séries de relatos que mostram uma multitude de comportamentos humanos que hoje julgamos reprováveis (Abraão não dormiu com sua filha para que pudesse gerar descendentes homens? [N.B.: na verdade elas o embebedaram e tiveram relação com o homem sem que ele soubesse o que estava fazendo. Esta lá no cap. 19 do gênesis, não sei ao certo o versículo, tirei o trecho da Bíblia online: “Vem, demos de beber vinho a nosso pai, e deitemo-nos com ele, para que em vida conservemos a descendência de nosso pai.”]).

“Qualquer investigação rápida de textos escritos com muitas décadas ou mesmo séculos de distância por pessoas que assumem a tarefa de ‘defender’ a língua mostra que o discurso dessa defesa é sempre o mesmo, os argumentos se repetem de uma época para outra, inalterados, de modo que uma coluna de jornal escrita sobre o tema em 1910 poderia ser estampada em 2010 quase sem alterações. Os linguistas ingleses James e Leslie Milroy batizaram esse traço cultural de ‘tradição da queixa’. E William Labov fala da saudade que as pessoas têm de uma ‘Idade de Ouro’ da língua, em que ninguém cometia ‘erros’, uma época mítica que, por isso mesmo, jamais existiu nem existirá.”

Anúncios

2 comentários sobre “As línguas e os costumes

  1. Não, Abraão não dormiu. Foram as filhas de Ló que embebedaram o pai para engravidar dele e assegurar sua descendência. O incesto de Abraão é de outra ordem: Sara, sua esposa, era também sua irmã paterna.

    Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s